ES combate táxis clandestinos e clonagem de veículos

Municípios deverão encaminhar ao Detran dados de frota de táxis
Municípios deverão encaminhar ao Detran dados de frota de táxis

Táxis clandestinos e veículos clonados estão na mira da Polícia Civil e do Departamento Estadual de Trânsito do Espírito Santo (Detran-ES). O Diário Oficial desta quinta-feira, 9, traz a Instrução de Serviço nº 89 que instituiu o Programa de Recadastramento de Veículos Destinados ao Transporte de Passageiros Tipo Taxi, com o objetivo de manter o controle sobre os veículos que oferecem esse serviço e evitar que veículos piratas operem nas cidades.

Municípios capixabas serão oficiados e convocados para apresentar seus cadastros de permissionários atualizados em 30 dias úteis. A autarquia quer reunir no banco de dados informações como número de placa, do veículo autorizado, nome do permissionário e CPF.

Dados serão fornecidos pelos municípios serão cruzados com o cadastro da autarquia. Veículos que não constem na lista sofrerão restrições administrativas e os proprietários serão convocados para apresentarem a documentação dentro de 60 dias. A relação inclui: autorização da Prefeitura em nome do proprietário para execução da atividade taxista; cópia dos documentos pessoais de identificação do proprietário do veículo; cópia do documento (CRV/CRLV) do veículo; e comprovante de residência do proprietário.

Para fiscalizar a frota, o Detran contará com o auxílio das polícias Civil e Militar. A Instrução de Serviço tem como base o artigo 135 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), que estabelece que veículos de aluguel deverão estar devidamente autorizados pelo poder público.

Clonagem
Polícia Civil e Detran reafirmaram acordo de cooperação para coibir fraudes nos processos que incluam a área de veículos, habilitação, desmonte e mercado de peças no estado. Em encontro entre representantes da autarquia e da corporação foram colocados em pauta, como a criação de um Núcleo de Inteligência que trabalhará em conjunto com a Corregedoria do Detran-ES com o intuito de acabar com eventuais irregularidades nos procedimentos.

Foi formalizada ainda a cessão de um espaço no local onde funciona a vistoria do Detran-ES para que  a Polícia Civil realize operações de fiscalização. De acordo com a autarquia, é uma forma de coibir roubos e furtos de veículos e combater outras fraudes como a clonagem.

 

Acesse os outros sites da VideoPress

Portal Vida Moderna – www.vidamoderna.com.br

Portal VOIT – www.voit.com.br

 

“Desrespeito ao cidadão”: Taxistas desaprovam vistoria por amostragem em SP

Prefeitura propõe vistoriar somente 10% da frota de táxis
Prefeitura propõe vistoriar somente 10% da frota de táxis

Depois de aprovar o uso de aplicativos de carona remunerada na capital paulista, o prefeito Fernando Haddad (PT) volta a provocar reações por parte de taxistas descontentes com as mudanças sinalizadas pela administração petista na vistoria dos táxis. A intenção é vistoriar cerca de 10% da frota ou por meio de denúncias.

A novidade, que poderia ser mais um agrado para a categoria foi mal recebida e considerada um desrespeito ao cidadão. “É um enorme absurdo. Os taxistas devem ser fiscalizados com o rigor necessário para garantir a segurança da população, como qualquer outro serviço público”, defende o presidente da Associação Brasileira das Associações e Cooperativas de Motoristas de Taxis – Abracomtaxi, Edmilson Americano.

Atualmente, cerca de 38 mil táxis são obrigados a passar pela vistoria anual. Só assim o taxista consegue renovar o Condutáxi, que é a habilitação para dirigir, e o alvará do veículo. A vistoria custa R$ 100. À imprensa, o secretário de Transportes, Jilmar Tatto, disse que não é obrigação da prefeitura verificar se o taxista cuida bem do carro, e sim do próprio profissional.

Americano afirma que a manobra é uma forma de “tirar da categoria a credibilidade do serviço regulamentado, legal e seguro”. Ainda de acordo com o presidente da Abracomtaxi, o prefeito tem tomado decisões constantes que só prejudicam os taxistas. “Ele se mostra totalmente perdido, cada hora diz uma coisa e nunca age com coerência”, diz Americano, citando como exemplo tanto a decisão do Haddad pela autorização do funcionamento do Uber na cidade como também pela liberação das faixas e corredores de ônibus pelos próprios taxistas. “O tempo demonstra a fragilidade dos seus discursos”, critica.

A liberação do Uber em São Paulo deve acarretar em um prejuízo de R$ 300 milhões para os taxistas. Há incoerência, no entendimento da Associação, nas ações do prefeito, que anteriormente sancionou a Lei Municipal 16.279/2015 que proibia o uso do Uber em São Paulo, com 43 votos na Câmara a favor. “Nossas leis são claras, placa cinza não pode fazer serviço remunerado de passageiro. Queremos respeito aos nossos direitos, as nossas leis”, afirma o líder dos taxistas.

Acesse os outros sites da VideoPress

Portal Vida Moderna – www.vidamoderna.com.br

Portal VOIT – www.voit.com.br

O UBER e a utopia liberal

Vasconcellos: "Uber é a falsa sensação de liberdade de escolha"
Vasconcellos: “Uber é a falsa sensação de liberdade de escolha”

Por Eduardo Vasconcellos* – O novo sistema de aluguel de veículos com motorista para uso privado – o UBER – vem causando ‘frisson’ em todo o mundo e, especialmente, na cidade de São Paulo. O debate tem se concentrado nos temas da legalidade do serviço oferecido e da possível concorrência desleal em relação aos táxis, que são regulados pelo governo. Apesar de este ser um debate necessário meu interesse aqui é analisar quais podem ser os motivos do sucesso momentâneo deste novo serviço.

O sistema de táxi de São Paulo é o melhor do Brasil e está entre os melhores das grandes cidades do mundo, considerando as condições sociais e econômicas da sociedade brasileira. Ele também usa aplicativos que permitem que um usuário chame um táxi a qualquer momento. A única restrição grave que se pode fazer ao sistema atual – assim como a todos os sistemas no país – é que ele recebe grande quantidade de subsídios para apoiar o transporte dos grupos sociais mais ricos da sociedade. Na cidade de São Paulo, os subsídios diretos e indiretos podem ser estimados em R$ 250 milhões por ano, para transportar uma quantidade muito pequena de pessoas (1,5% da quantidade servida pelo transporte coletivo), cuja renda média é a mais alta dentre os usuários de todos os modos de transporte. A conseqüência é que os usuários de táxi recebem subsídios de 32% da tarifa nos seus deslocamentos. O táxi, na realidade, é um automóvel alugado com motorista, um substituto do automóvel particular, e que sempre contou com estes subsídios, seguindo a decisão das elites brasileiras desde a década de 1930, de apoiar incondicionalmente o transporte particular. Neste aspecto, o UBER tem a vantagem de não precisar de subsídio público.

Se o sistema regular atende bem de uma forma geral, porque ocorreu uma enorme mobilização em torno do tema do UBER? O debate sobre o UBER está ligado, no fundo, à utopia liberal da superioridade absoluta do “mercado” e da liberdade total de escolha e de usufruto do serviço adquirido por um consumidor.

No entanto, o novo serviço é ofertado em grandes cidades, nas quais a circulação livre é impossível, uma vez que o conflito é inevitável, considerando a grande quantidade de veículos e pessoas que precisam usar o mesmo espaço viário. Neste aspecto, o UBER vende uma ilusão, mas a qualidade do serviço e o poder que concede a quem o chama são suficientes para contentar o usuário em sua utopia. Chamar um veículo luxuoso para se transportar faz a pessoa se sentir bem, usufruindo do seu poder de consumidor que contrata um serviço de alto nível. Faz com que o usuário se sinta “moderno” no uso das tecnologias e que pareça estar em Nova Iorque ou em outra grande cidade mundial. Isto, de alguma forma, faz com que ele se…[MAIS]

Em resposta a protestos contra Uber, Rollemberg fala em aumentar licenças de táxis no DF

Centenas de taxistas protestaram contra Uber em Brasília
Centenas de taxistas protestaram contra Uber em Brasília

Em encontro com membros do Sindicato dos Taxistas do Distrito Federal, o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, afirmou que estuda ampliar as concessões. A promessa foi a resposta ao protesto da categoria, que reuniu centenas de profissionais nesta manhã em carreata pelas ruas de Brasília contra o aplicativo de carona remunerada Uber.

Para os taxistas, o aplicativo, cada vez mais popular em todo o mundo e alvo também de protestos nos Estados Unidos, Portugal e França, gera uma concorrência desleal, pois os motoristas não pagam impostos. A presidente do Sindicato, Maria Bonfim, afirma que o transporte alternativo afeta em pelo menos 15% o faturamento de quem está legalizado.

O governador, que se posicionou favorável à causa da categoria, disse que o Uber prejudica o sistema de transporte da capital. “Nossa disposição é fazer com que o serviço aconteça de forma regulada e fiscalizada pelo poder público, como é o serviço de táxi”, disse.

Por não ter aval ou reconhecimento das autoridades públicas de trânsito,  o uso do Uber é proibido pela Secretaria de Mobilidade do Distrito Federal, que apertou o cerco contra a prática, registrando 126 infrações…

Curitiba instala Big Brother para garantir 100% dos táxis nas ruas em horário de pico

Curitiba vai monitorar 3 mil taxistas até o fim do mêsFoto: Maurilio Cheli/SMCS
Curitiba vai monitorar 3 mil taxistas até o fim do mêsFoto: Maurilio Cheli/SMCS

O serviço de táxi em Curitiba é monitorado desde o início deste mês no Centro de Controle Operacional (CCO) da empresa de transporte público da capital. O sistema vai ser usado por operadores e fiscais de táxi que vão acompanhar o cumprimento do regulamento implantado em 2013, segundo a prefeitura, com o intuito de ampliar a eficiência do atendimento.

Uma das preocupações é garantir se a frota está 100% nas ruas nos horários de pico. Da mesma forma que é feito com o transporte coletivo, a central vai gerar relatórios contínuos sobre as atividades dos taxistas.

O monitoramento começa com 400 táxis e, nesta semana, deve ser ampliado para 1.920 unidades. Ainda em março, a meta é chegar a 3 mil unidades monitoradas. Para a prefeitura, há uma expectativa grande da população e visitantes com a qualidade do serviço, por se tratar de um tradicional serviço dos centros urbanos.

Sistema

Os veículos são monitorados por GPS e o CCO unifica os sistemas utilizados pelas sete…

IPEM-RJ inicia atualização de tarifas de 33 mil táxis

Táxi sem atualização rende multa de R$ 500 ao proprietário
Táxi sem atualização rende multa de R$ 500 ao proprietário

Mais de 33 mil táxis convencionais do Rio de Janeiro passarão, a partir de hoje, por atualização das tarifas. O serviço é feito pelo Instituto de Pesos e Medidas (IPEM-RJ) que também fiscalizará veículos que possuírem impressora e que tenham até seis anos de uso a contar da data de fabricação.

A atualização, que pode ser feita em oficinas credenciadas pelo órgão, tem previsão de ser concluída no dia 27 de abril. Para isso, o taxista deve agendar a verificação metrológica, obrigatória, e pagar um taxa de R$ 37,50.

O presidente do IPEM-RJ, Macus Von Seehausen, afirma que no dia da vistoria dos veículos – que será realizada entre os dias 10 de março e 08 de outubro, de acordo com o calendário – o taxista permissionário precisa apresentar todos os documentos solicitados. “Pedimos que os taxistas estejam com todos os documentos em mãos para que a verificação seja realizada na data marcada, e, assim, não prejudique o andamento dos serviços e a rotina dos taxistas”, explicou o presidente, acrescentando que sem o agendamento a verificação não é realizada.

Se o taxista for flagrado com o táxi sem a avaliação metrológica em dia, pode sofrer multa de R$ 500. O órgão dá o direito de o profissional apresentar defesa no prazo de 10 dias.

Documentação necessária para a atualização:

Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo junto ao DETRAN

Carteira de Habilitação do taxista

Certificado de segurança veicular

Comprovante de Residência

Certificado da última verificação do taxímetro

GRU quitada e cartão de permissionário junto a SMTR

Comprovante do agendamento

Calendário:

Atualização junto às oficinas credenciadas:

09/03/2015 a 17/03/2015 placas com final 0-1

18/03/2015 a 26/03/2015 placas com final 2-3

27/03/2015 a 06/04/2015 placas com final 4-5

07/04/2015 a 15/04/2015 placas com final 6-7

16/04/2015 a 27/04/2015 placas com final 8-9

Verificação Metrológica junto ao IPEM-RJ:

10/03/2015 a 27/03/2015 placas com final 0

30/03/2015 a 17/04/2015 placas com final 1

20/04/2015 a 08/05/2015 placas com final 2

11/05/2015 a 29/05/2015 placas com final 3

01/06/2015 a 23/06/2015 placas com final 4

24/06/2015 a 14/07/2015 placas com final 5

15/07/2015 a 04/08/2015 placas com final 6

05/08/2015 a 25/08/2015 placas com final 7

26/08/2015 a 16/09/2015 placas com final 8

17/09/2015 a 08/10/2015 placas com final 9

Fonte: IPEM-RJ

IPEM-RJ inicia atualização de tarifas de 33 mil táxis

Táxi sem atualização rende multa de R$ 500 ao proprietário
Táxi sem atualização rende multa de R$ 500 ao proprietário

Mais de 33 mil táxis convencionais do Rio de Janeiro passarão, a partir de hoje, por atualização das tarifas. O serviço é feito pelo Instituto de Pesos e Medidas (IPEM-RJ) que também fiscalizará veículos que possuírem impressora e que tenham até seis anos de uso a contar da data de fabricação.

A atualização, que pode ser feita em oficinas credenciadas pelo órgão, tem previsão de ser concluída no dia 27 de abril. Para isso, o taxista deve agendar a verificação metrológica, obrigatória, e pagar um taxa de R$ 37,50.

O presidente do IPEM-RJ, Macus Von Seehausen, afirma que no dia da vistoria dos veículos – que será realizada entre os dias 10 de março e 08 de outubro, de acordo com o calendário – o taxista…

Frota de táxi de Curitiba recebe dois veículos elétricos

Táxis elétricos gastam 60% menos com rodagem
Táxis elétricos gastam 60% menos com rodagem

A frota de táxi de Curitiba ganhou dois carros elétricos na tarde de segunda-feira (2), aniversário da cidade. Os novos carros serão testados em sistema de rodízio por três meses nas sete centrais de rádio táxi para que seja avaliada a viabilidade econômica e benefício ambiental.

Calcula-se que o uso da energia elétrica representará uma economia de 60% do que se gasta com combustível. Por concentrar 25% da produção nacional de energia elétrica, outros projetos de eletromobilidade são desenvolvidos no Paraná junto a Itaipu, Copel, Volvo e Universidade Federal do Paraná.

Além de uma inovação tecnológica, o uso dos táxis elétricos também pode ser uma nova fonte de recursos. A Prefeitura de Curitiba estuda o aluguel dos carros no valor a ser economizado com o uso da energia elétrica.

A BYD, montadora que concedeu os veículos para a frota curitibana, desenvolveu o carro elétrico especificamente para esta finalidade. O veículo tem uma autonomia de 300 quilômetros a cada carga elétrica. É carregado em tomada elétrica durante uma hora e meia a duas horas. O custo para fazer 300 quilômetros, em valores atuais, fica em torno de R$ 32 com energia elétrica e em torno de R$ 110 com gasolina.

A empresa de transportes de Curitiba avaliará os resultados do desempenho dos carros. As centrais Lig Táxi e Sereia, que receberam os veículos para testes, reúnem 1.920 dos 3 mil taxistas da capital.

Com os dois elétricos, a frota de táxi de Curitiba chega a 3.002 veículos, resultado de uma nova política do táxi adotada a partir de 2013 e que garantiu a melhoria do serviço e uma série de inovações. São 750 táxis padronizados com as novas regras.

Entre estas inovações, estão o táxi compartilhado, adaptado para atender pessoas com deficiência com todo conforto, segurança e dignidade; e o táxi especial, adaptado para ser dirigido, com conforto e segurança, por taxista com deficiência. O táxi compartilhado tem piso rebaixado, rampa de acesso e espaço para que o usuário viaje na própria cadeira de rodas, com mais conforto, segurança e na mesma altura que os demais passageiros.