INÍCIO

Preço alto compromete uso da bike como meio alternativo de transporte

Preço alto compromete uso da bike como meio alternativo de transporte

by 12 de maio de 2016 0 comments
Uso da bicicleta é crescente, mas ainda existem obstáculos

Uso da bicicleta é crescente, mas ainda existem obstáculos

A bicicleta é uma tendência mundial como transporte alternativo e o Brasil segue esse mesmo caminho. O boom da malha cicloviária nos últimos anos estimula o uso da bike. Como já mostramos aqui anteriormente, pedalar é, inclusive, uma saída para o brasileiro que enfrenta dificuldades em usar o transporte público em tempos de crise. No entanto, ainda existem obstáculos e um deles, é o custo alto do veículo.

A carga tributária é um dos principais entraves para a mudança de comportamento no trânsito e que impede o Brasil de obter melhores resultados. Quarto produtor mundial, o país fabrica 3,5 milhões de bikes por ano. Só a frota nacional é estimada em 70 milhões de unidades.

“Tenho certeza que a bicicleta vai se tornar cada vez mais importante para o brasileiro, como lazer e esporte. Mas ainda há obstáculos a serem superados. Além da segurança, preocupa o custo da bicicleta e a falta de incentivo tributário ao produto. Hoje, a bicicleta possui uma carga tributária média de 40%, maior do que a de um automóvel”, diz Isacco Douek, presidente do Conselho Diretor da Abradibi (Associação Brasileira da Indústria, Comércio, Importação e Exportação de Bicicletas, Peças e Acessórios.

A consultoria Tendências, em seu estudo denominado “Análise Econômica do Setor de Bicicletas e Suas Regras Tributárias”, lançado no Congresso Nacional em 2013, mostrou que a alíquota do Imposto de Importação sobre bicicletas está no patamar de 35%. Incidem sobre elas PIS e Cofins à alíquota de 10,2%, ICMS de 18% (Estado de São Paulo) e Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) da ordem de 10%.

Transporte
Ciclistas de fins de semana estão se tornando usuários frequentes das bikes e as adotam como meio de transporte. É o que mostra pesquisa que definiu o perfil do ciclista brasileiro, realizada pelas ONGs Obervatório das Metrópoles e Transporte Ativo.

Segundo o estudo, 88,1% dos ciclistas utilizam a bike para ir ao trabalho. Já 71,6% dos respondentes afirmaram que pedalam pelo menos cinco dias por semana. Para 61,8% dos entrevistados, a bicicleta é um meio de transporte há menos de cinco anos. Outros 26,4% disseram que a usam de forma combinada com outros meios de transportes nos deslocamentos, como metrô ou ônibus. O percurso pedalando varia de 10 a 30 minutos para 56,2% dos ciclistas.

A pesquisa, inédita, revela ainda que 34,3% têm entre 25 e 34 anos e 30% têm renda entre um e dois salários mínimos. O objetivo da sondagem é conhecer os motivos e as principais necessidades de quem faz os deslocamentos pedalando. Para isso, foram ouvidos mais de 5 mil ciclistas de Aracaju (SE), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Manaus (AM), Niterói (RJ), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA) e São Paulo (SP).

O que mais leva mais de 40% dos ciclistas a optarem pela bike é a rapidez e praticidade. Outros 34,6% se queixam da falta de educação no trânsito para compartilhar os espaços entre ciclistas e motoristas. Para metade dos participantes, mais ciclovias e ciclofaixas dariam mais motivação para pedalar.

Acesse os outros sites da VideoPress

Portal Vida Moderna – www.vidamoderna.com.br

Portal VOIT – www.voit.com.br

No Comments so far

Jump into a conversation

No Comments Yet!

You can be the one to start a conversation.

Your data will be safe!Your e-mail address will not be published. Also other data will not be shared with third person.