Mercado de carro usado: a reinvenção dos negócios

Mercado de carro usado: a reinvenção dos negócios

Mercado de carro usado: a reinvenção dos negócios

by 17 de dezembro de 2015 0 comments

veiculos_seminovos-1Por Miguel Silveira* – Nesta reta final de 2015, é certa a previsão de que a economia brasileira seguirá remando contra a maré, enquanto a venda de veículos zero quilômetro fica à deriva neste mar de incertezas. Na contramão, o mercado de usados esteve aquecido ao longo de todo o ano, o que leva a duas conclusões: diante da crise, o foco do consumidor mudou, mas os fabricantes de veículos ainda não despertaram para isso.

As áreas menos desenvolvidas dentro de uma concessionária de veículos continuam sendo as de pós-vendas e de usados, justamente as que assumem cada vez mais um papel estratégico, não só do ponto de vista da rentabilidade, mas também da sustentabilidade em longo prazo. Um programa dedicado a seminovos e usados precisa ser considerado uma alavanca para facilitar o desenvolvimento de uma marca e uma parte integrante da estratégia global das montadoras. E como isso funcionaria?

Quando pensamos num programa de seminovos, é normal fazer associação a uma imagem, materiais em um ponto de venda ou a venda de garantia. Mas o sucesso desse tipo de negócio vai muito além destas questões básicas. Os quatro fatores a serem considerados são: imagem, que visa aumentar a notoriedade; valor, um argumento para otimizar os preços de vendas; volume de vendas, uma forma de atrair clientes às concessionárias; concessionárias – profissionalismo e rentabilidade.

Há pelo menos 20 anos, Europa e Estados Unidos consideravam o veículo usado um “mal necessário”. Compra quem realmente precisa de um carro. Hoje, esse mercado faz parte da estratégia global das principais montadoras nessas localidades, que incluem cada negociação no resultado operacional geral.

Em um ano em que as vendas de seminovos e usados…[MAIS]

Pages: 1 2

No Comments so far

Jump into a conversation

No Comments Yet!

You can be the one to start a conversation.

Deixe uma resposta