Carros bons de venda e de economia. Veja a lista

O Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) divulga pelo oitavo ano a lista dos carros mais econômicos e que emitem menos poluentes. O Radar Nacional selecionou os modelos com maior saída no mercado, desde a categoria subcompactos até compactos, que oferecem maior rendimento. O levantamento considera a avaliação mista, que calculou a autonomia dos veículos rodando na cidade e na estrada. Confira a seguir:

Renault Sandero

Novo-Sandero-2016-014

A versão Dynamique do compacto com motor 1.6 litro e oito válvulas roda 8 quilômetros por litro de etanol na combinação de rodagem na estrada e na cidade. Na mesma situação, mas abastecido com gasolina, o carro consome um litro a cada 11,4 quilômetros. Na classificação entre outros compactos, Sandero recebeu nota C no programa de etiquetagem.

Volkswagen Fox Highline

VW-Fox-2016-Highline

A versão do compacto da VW rendeu 8,3 quilômetros por litro de etanol abastecido. Já com gasolina rodou 11,7 km/l. Modelo é nota B na comparação com outros carros do segmento.

Fiat Novo Uno Way

Uno-Way-2016-01

Nota C na comparação entre outros modelos da categoria, o compacto da Fiat roda 8,2 quilômetros por litro de etanol na combinação dos ciclos urbano e na estrada. Com gasolina, o rendimento chega a 11,8 km/l. Novo Uno ganhou a nota máxima pelo baixo índice de emissões de poluentes.

Chevrolet Onix LT

novo-onix-2016

Líder de vendas no Brasil, o compacto consome um litro de etanol por 8,4 quilômetros rodados.  Abastecido com gasolina, faz 12,3 quilômetros por litro. Onix é nota A na avaliação entre outros modelos do segmento e também na emissão de poluentes.

Ford KA SE

maxresdefault

O modelo 1.0 mais vendido em 2015 é também o líder da Ford em relação à economia. A média, se abastecido com etanol, é de 9,5 quilômetros por litro. Já a gasolina, o rendimento é de 13,8 km. Ka é nota A na classificação entre os modelos do segmento e também na emissão de poluentes.

Fiat Palio

Fiat-Palio-Fire-2016 (2)

Abastecido com etanol, a versão Fire Way do Palio faz 8,9 quilômetros na combinação cidade/estrada. No mesmo cenário, mas rodando com gasolina, o consumo é de um litro a cada 12,9 km. O subcompacto, carro-chefe da Fiat, recebe nota B na comparação do rendimento em relação a outros veículos da categoria e nota A na emissão de poluentes.

Hyundai HB20 Plus

Novo-Hyundai-Hb20-2016 (17)

O compacto da marca sul-coreana rendeu 9,1 quilômetros por litro na avaliação do Inmetro feita com etanol. Quando abastecido com gasolina, consumiu 13,2 km/l. Também obteve as maiores pontuações na emissão de poluentes e no comparativo com outros modelos da categoria.

Toyota Etios

Malagrine

A versão Platinum no hatchback rodou 8,9 quilômetros com um litro de etanol e 13,1 quilômetros por litro de gasolina. É nota A entre outros modelos compactos.

Volkswagen UP!

UP-Cross-UP-1.0-I-Motion-grande-920x440

Entre os membros da família do subcompacto da VW, a versão Cross I-Motion é a mais econômica. Abastecida com etanol roda 9,3 por litro e, com gasolina, faz 13,7 quilômetros. Entre os veículos da mesma categoria, UP! é nota A, mas obteve nota B na emissão de poluentes.

Volkswagen Gol

volkswagen-gol-2016-prata-55bfe7c906e96

Trendline, versão mais vendida do Gol, rodou 9,5 km por litro de etanol na cidade e na estrada. Já com gasolina obteve um rendimento de 13,6 km/l. O carro mais vendido da VW recebeu nota A na comparação com outros veículos do segmento.

100% de adesão
O Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular (PBEV) atingiu pela primeira vez 100% de adesão das montadoras e importadoras. As informações sobre eficiência de consumo e emissão de gases estarão presentes em 90% dos veículos comercializados no país. Dos atuais 795 modelos e versões avaliados, serão incluídos outros 131 modelos e versões, fechando 2016 com 926 veículos enquadrados no programa.

Outra novidade neste ano é a entrada dos veículos leves a diesel na avaliação, como picapes, SUVs e off-roads, que serão etiquetados já em maio. Também foram inseridas duas novas categorias: picapes e os microcompactos, veículos de até seis metros de comprimento.

“Na hora de escolher o seu carro, o consumidor encontrará de forma mais clara as informações de eficiência energética, que vão impactar no consumo em toda a sua vida útil, e poderá escolher o modelo menos poluente e mais econômico. O objetivo é estimular que o cidadão procure a etiqueta para comparar veículos de uma mesma categoria, auxiliando-o a tomar uma decisão de compra consciente”, diz Alfredo Lobo, diretor de Avaliação da Conformidade.

Automóveis que forem mais eficientes e obtiverem as melhores classificações em sua categoria e também no ranking geral serão contemplados adicionalmente com o Selo Conpet de Eficiência Energética, concedido pela Petrobras, parceira do Inmetro no PBEV.

Confira AQUI a tabela completa de avaliação dos veículos.

 

Autorizada por Contran, terceirização de vistoria veicular pode ser cancelada

Projeto considera vistoria veicular uma obrigação dos detrans
Projeto considera vistoria veicular uma obrigação dos detrans

Na mesma semana em que a Justiça Federal do Mato Grosso determinou a suspensão imediata das vistorias veiculares por empresa terceirizada, avançou na Câmara dos Deputados a tramitação do Projeto de Decreto Legislativo (PDC) 9/15, que susta a Resolução 466/13 do Conselho Nacional de Trânsito (Cotran), que autoriza a realização das inspeções por entidades privadas.

A justificativa é que há uma série de procedimentos relacionados aos veículos que preveem que a vistoria fique restrita ao poder de polícia do Estado, no caso, os departamentos de trânsito (detrans). Autora do projeto, a deputada Erika Kokay (PT-DF) cita parecer do procurador da República Carlos Henrique Martins Lima. “O Ministério Público Federal já se manifestou contrariamente a tal possibilidade em outras oportunidades”, disse ela. “Segundo o procurador, as competências do Contran e do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), previstas no Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9503/97), não preveem a possibilidade de credenciamento de empresas privadas para a execução de vistoria veicular”, frisa.

O projeto será analisado pelas comissões de Viação e Transportes; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois, segue para o Plenário.

Suspensão
A Justiça Federal de Mato Grosso suspendeu a terceirização do serviço de vistoria veicular no Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT). Medida é favorável a pedido de liminar feita pelo Sindicato dos Servidores do Detran (Sinetran-MT) e determina a imediata suspensão da publicação da Lei Estadual nº 10380/2016 que autorizou o governo e o Detran a credenciarem empresas privadas para realizar serviço de competência da autarquia.

O juiz federal Cesar Augusto Bearsi, autor da sentença, estabeleceu multa diária de R$ 100 mil para cada vistoria realizada à revelia da proibição. No mês passado, a Assembleia Legislativa aprovou o projeto de Lei 775/2015 que previa a criação de três novas taxas, sendo elas a taxa de credenciamento de empresas privadas para executar a vistoria veicular, a taxa de renovação de credenciamento dessas empresas e a taxa de homologação de laudo de vistoria, ou seja, o projeto de lei que visava a terceirização da vistoria veicular do Detran.

Conforme afirmado na liminar, o projeto foi apresentado às vésperas do recesso de fim de ano, em 2015, e a tramitação foi “atropelada” pelo regime de urgência pedido pelo governo. “Sob intensos protestos, forte mobilização dos servidores do Detran e até mesmo denúncias de possíveis direcionamentos de empresas para assumirem o serviço, o Governo do Estado atuou fortemente para a aprovação da medida e a maioria dos deputados estaduais votou favorável, mesmo sabendo que nos outros Estados as vistorias privadas estão sendo questionadas no Congresso Nacional, no Supremo Tribunal Federal, por meio de Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADINs), em intervenções dos Ministérios Públicos, pareceres da Controladoria Geral da União e Procuradoria Geral da República, apontando problemas que envolvem desde a delegação ilegal de poder de polícia e fiscalização, terceirização de atividade finalística, insegurança no armazenamento dos dados, dentre outros”, afirma o Sinetran.

Acesse os outros sites da VideoPress

Portal Vida Moderna – www.vidamoderna.com.br

Portal VOIT – www.voit.com.br

Brasil pede à Argentina revisão de US$ 12 mi em multas de transportadores

Multas são consideradas abusivas e comprometem atividade de 600 transportadoras brasileiras
Multas são consideradas abusivas e comprometem atividade de 600 transportadoras brasileiras

Milhares de multas cobradas pela Argentina a transportadoras brasileiras devem ser reavaliadas pelo país vizinho. A Associação Brasileira de Transportadores Internacionais (ABTI) reenviou o pedido de revisão das penalidades em execução judicial e que, juntas, chegam aos 12 milhões de dólares.

Um dos temas da reunião bilateral Argentina-Brasil para tratar dos aspectos técnicos e operacionais do transporte de cartas e de passageiros entre os países, as multas aplicadas por falta de inspeção técnica veicular dos veículos brasileiros são consideradas abusivas pela Associação. A infração é considerada grave pela Argentina desde 2004, decisão que, segundo a ABTI, viola acordo formal existente entre as nações.

O governo argentino teria ainda autorizado a entrada de caminhões brasileiros sem a inspeção técnica. Mas as multas começaram a ser cobradas em 2009. “Eles permitiram que os caminhões ingressassem e depois de cinco anos cobravam a multa. Por que não impediram o ingresso?”, questiona a gerente-executiva da ABTI, Gladys Vinci, que também ressalta o alto valor da sanção: “enquanto a inspeção técnica custa US$ 100, a infração é de US$ 2 mil na Argentina”.

As transportadoras brasileiras enfrentam com a medida dificuldades em trâmites administrativos com o país vizinho. Recursos de algumas delas chegaram a ser bloqueados por conta dos débitos. A mudança de governo na Argentina é vista positivamente para o avanço das negociações, que devem beneficiar 600 empresas brasileiras que atuam no transporte internacional de cargas.

Exigências
A Argentina reconheceu também acordo assinado com membros do Mercosul, em 1992, que traz exigências para o trânsito de veículos de carga pelos países do bloco. Para a ABTI, trata-se de um avanço, visto que os argentinos exigiam itens não previstos e aplicavam multas ás transportadoras brasileiras em caso de descumprimento. E adequar os caminhões aos critérios argentinos implicava em multas nas vias brasileiras, por sair dos padrões estabelecidos no país de origem.

Um dos pontos positivos da reunião bilateral foi o anúncio de que a Argentina trabalha na implementação de um sistema informatizado e integrado que agilizará a emissão das licenças complementares. Com isso, veículos devem ser habilitados ao transporte de cargas mais rápido. O prazo, antes de 180 dias, cairá para menos de duas semanas. A tramitação de altas, baixas e modificações da frota devem cair de 40 dias para 48 horas.

Acesse os outros sites da VideoPress

Portal Vida Moderna – www.vidamoderna.com.br

Portal VOIT – www.voit.com.br

Viajar em tempos de crise é possível com organização financeira

Especialista afirma que planejar-se para pagar a viagem à vista é a melhor opção
Especialista afirma que planejar-se para pagar a viagem à vista é a melhor opção

Conseguir uma reserva do orçamento no fim do mês está cada vez mais difícil para o brasileiro, ainda mais quando a intenção é usar esse dinheiro para viajar. O sufoco para manter as finanças em dia obriga muita gente a adiar os planos de escolher um destino e curtir o merecido descanso. Mesmo quem consegue driblar a crise, na maioria das vezes, recorre a roteiros mais econômicos, como apontam dados do Ministério do Turismo, que identificou em recente pesquisa a intenção da maior parte dos brasileiros de fazer viagens nacionais no primeiro semestre.

Ainda que a opção seja pegar o carro para ir até o litoral ou um voo em promoção, os custos são altos. No entanto, é possível tirar do papel os planos de mudar de cenário nas férias ou naquele feriado prolongado. Tudo depende da organização financeira, segundo Aigo Pyles, especialista em carreira e planejamento patrimonial e financeiro.

Leia também: Dicas para viajar com segurança nas férias

Planejar o pagamento à vista da viagem é mais vantajoso. “Se você é uma pessoa que gasta R$ 3.000,00 (que também é o valor total de sua renda mensal) e pede desconto em tudo, imagine que você consiga apenas 5% de redução, que muitas vezes é a diferença entre pagar em dinheiro do que usar o cartão, no final do mês você terá acréscimo em sua conta de R$ 150,00”, explica. “Não parece muito, mas, no final do ano, você acaba com 60% do saldo de seu salário mensal guardado. O que você faria com R$ 1.800,00 no fim do ano?”, questiona.

O especialista afirma que esse valor pode ser usado na viagem, que seria paga antes de o consumidor sair de férias.

Pyles também orienta o consumidor sobre como evitar o pesadelo da volta das férias, que surge com as contas acumuladas, reflexo da falta de planejamento. “Acredito que não precisa ser assim. Apenas espere ter o dinheiro e depois viaje. Como tudo na vida, você deve se organizar. Se você fizer isso com a sua viagem de fim de ano, ou mesmo com a sua vida financeira, tenho certeza que não terá tantas surpresas no percurso”, aconselha.

Antecipar-se é a melhor fórmula para garantir um retorno confortável da viagem e, com possibilidade ainda, de planejar as próximas férias. Investir a reserva em aplicações que pagam acima da inflação pode ser também uma boa saída para ter um bom rendimento. “Esses são os locais para se guardar dinheiro até que ele possa se transformar em uma bela recordação que você levará para toda a sua vida”.

Acesse os outros sites da VideoPress

Portal Vida Moderna – www.vidamoderna.com.br

Portal VOIT – www.voit.com.br

Justiça determina a Detran-RJ cancelamento de licitação milionária

TCE-RJLicitação do Detran do Rio de Janeiro para escolha de empresa que cuidaria dos arquivos da autarquia deve ser adiada por ordem judicial. O Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) identificou um aumento abusivo no valor a ser gasto com o serviço em relação ao montante utilizado cinco anos atrás para a mesma finalidade. A suspensão tem validade de um ano.

A empresa vencedora receberia R$ 8.273.333,33 pela movimentação, processo técnico, avaliação de processos administrativos e concessão dos acervos de documentos da autarquia. Em 2011, os mesmos procedimentos foram feitos, no mesmo intervalo de tempo proposto na atual licitação, por R$ 2.507.589,96.

Leia também: Detran-RJ suspende direito de dirigir de 22 mil motoristas

O certame ocorreria nesta sexta-feira, 29, mas o Tribunal, depois de analisar o edital, solicitou ao Detran que explicasse a necessidade da contratação, custos, aspectos legais, entre outras questões.

O TCE-RJ exigiu à autarquia a apresentação de dados que justifiquem os preços para cargos previstos na contratação. Outra determinação foi a ampliação da pesquisa de mercado para que haja maior economia nos cofres públicos. O Detran deverá explicar também se existem nos quadros do órgão arquivistas e supervisores, já que o edital prevê contratações para estes setores. E, ainda, se a execução desses serviços está contemplada no plano de cargos do quadro de pessoal do órgão.

Conta no edital que o Arquivo Central, localizado em São Cristovão, tem nove depósitos com cerca de 320 mil caixas-arquivo, que representam cerca de 45 quilômetros de documentos, originados das Diretorias de Habilitação, Veículos e Identificação Civil. O volume inclui acervos recolhidos no interior e na Região Metropolitana. No documento, o órgão afirma que a média mensal do volume de documentos recebidos pelo arquivo é de 1.920.000 páginas e argumenta, entre outras alegações, que precisa garantir melhores condições de tratamento ao acervo.

Acesse os outros sites da VideoPress

Portal Vida Moderna – www.vidamoderna.com.br

Portal VOIT – www.voit.com.br

Novo modelo de sinalização é usado em estradas federais

Novo sistema melhorou a classificação das rodovias estaduais em ranking da CNT
Novo sistema melhorou a classificação das rodovias estaduais em ranking da CNT

Um novo padrão de sinalização vem sendo aplicado em rodovias federais sob jurisdição do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT). A partir de estudos técnicos e projetos que envolvem modernas técnicas do setor, as mudanças devem ser feitas em 55 mil quilômetros de malha federal.

Pelo programa, além e implantar e manter a sinalização horizontal, vertical e suspensa, são introduzidos dispositivos auxiliares de segurança viária como pórticos em trechos urbanos e defensas metálicas em trechos com curvas.

Pernambuco é o Estado mais beneficiado pelo projeto até agora. Lá, as rodovias que cortam o estado começaram a receber a nova sinalização há dois anos. Um dos exemplos é a BR-104/PE. Nos trechos que vão da Paraíba até Pão de Açúcar e de Caruaru a Panelas, cerca de 660 mil habitantes passaram a trafegar com mais segurança.  A rodovia recebe cerca de sete mil veículos por dia, mas só na zona urbana de Caruaru trafegam 50 mil veículos por dia.

Em cinco anos de projeto, o DNIT aplicou R$ 3,9 bilhões. São 104 contratos com empresas terceirizadas que abrangem todo o país.

Estudo divulgado recentemente pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), aponta que o programa foi responsável pela melhoria da classificação da sinalização nas vias federais. A extensão das rodovias com sinalização classificada negativa caiu de 77,1% em 2013 para 55,9% em 2015. Já a extensão com boa avaliação subiu de 22,9% para 44,9%, em igual período.

De acordo com a avaliação feita pela CNT, “esse ganho de qualidade da sinalização nas rodovias federais já é capaz de oferecer melhores condições de circulação aos veículos e, consequentemente, contribuir para a maior segurança e produtividade dos usuários das rodovias federais.”

Acesse os outros sites da VideoPress

Portal Vida Moderna – www.vidamoderna.com.br

Portal VOIT – www.voit.com.br

Detran-RJ suspende direito de dirigir de 22 mil motoristas

Condutores notificados terão dez dias para entregar documento
Condutores notificados terão dez dias para entregar documento

O Departamento Estadual de Trânsito do Rio de Janeiro (Detran-RJ) suspendeu 22,5 mil carteiras de motoristas desde o início do ano. Só nesta semana, 2.219 deles foram notificados pelo Diário Oficial do Estado a entregarem seus documentos por terem acumulado 20 pontos em multas ou cometido infrações como excesso de velocidade e condução sob efeito de drogas ou álcool, atos que também preveem a perda temporária do direito de dirigir.

A relação publicada comunica motoristas que não foram localizados pelos Correios. O prazo de entrega da CNH é de dez dias, contados a partir desta quarta-feira, 27. A autarquia também notificou pelo DO a abertura de processo para a suspensão do direito de dirigir de 2.348 motoristas. Estes condutores terão 30 dias para apresentar defesa às juntas administrativas de recursos e infrações.

Os condutores suspensos deverão entregar suas carteiras ao Detran, no Núcleo de Documentos Acautelados, na Avenida Presidente Vargas 817, sobreloja, no Centro do Rio, ou em qualquer posto de habilitação.

A CNH é devolvida depois que o motorista passa por curso de reciclagem de 30 horas e cumpre o tempo de suspensão estipulado. Do contrário, responde a processo para cassação da habilitação se for flagrado dirigindo, como determina o artigo 263 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Esse flagrante pode ser feito por agentes de trânsito e eletronicamente, através do registro de multas cometidas após a perda do direito de dirigir.

Liberação de veículos apreendidos
Depósitos públicos administrados pelo Detran passarão a liberar, no mesmo dia da apreensão, os veículos rebocados  nos sábados, domingo e feriados. Para tanto, basta que o responsável pelo…[LEIA MAIS]

Movimento por carros a diesel no Brasil continua

Especialistas afirmam que diesel é economicamente viável, apesar de alta de 12%
Especialistas afirmam que diesel é economicamente viável, apesar de alta de 12%

Nem mesmo as constantes altas no preço do barril do petróleo minam a proposta de inserir no mercado nacional carros movidos a diesel. A produção e a comercialização de veículos de passeio movidos a diesel foram proibidos há 40 anos pelo Ministério da Indústria e Comércio, que naquele tempo, vivia a crise do petróleo e encontrou no álcool uma saída para depender menos do diesel importado.

Nos últimos anos, a proibição é sustentada com argumentos como o potencial poluidor do diesel ou o preço dos veículos com o propulsor, que precisam ser mais robustos, desta forma, mais caros.

Mas há visões contrárias e propostas discutindo a restrição. De acordo com a Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis), a indústria automotiva não vê sentido para manter a proibição, já que o diesel polui bem menos nos dias atuais.

Na Câmara dos Deputados, uma comissão discute o Projeto de Lei 1013/2011, que prevê reverter a medida. O assunto já reuniu entidades, órgãos oficiais, entidades de classe, ambientalistas entre outros, em audiências públicas. O relator da comissão deputado Evandro Roman (PSD-PR), irá apresentar parecer antes que o projeto seja votado. A revogação dessas restrições, argumenta a Fecombustíveis, não trará aumento na emissão total de poluentes de veículos, nem haverá problema quanto à demanda no varejo pelo derivado do petróleo.

O engenheiro Vicente Alves Pimenta, representante da Aprove-Diesel e do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças), afirmou que não existem mais justificativas para…[LEIA MAIS]

Veja quais são os carros mais financiados no ano

Palio despencou para a nona posição entre financiados
Palio despencou para a nona posição entre financiados

A preferência do consumidor pelo Onix, garantiu a liderança do modelo da Chevrolet também no ranking de financiados entre janeiro e março deste ano, com 24.230 unidades negociadas. No segmento de automóveis leves, a segunda posição ficou com o HB20, da Hyundai , com 15.479 vendas a prazo e o Ka, da Ford, garantiu o terceiro lugar do pódio com 12.554 negociações.

O levantamento da Cetip mostra que os modelos mantiveram as mesmas posições no topo 3 de março: Onix encerrou o mês com 7.883 financiamentos; HB20, 5.702; e Ka, com 5.138 unidades. O topo 5 é completado, respectivamente, por Prisma, da Chevrolet, com 3.990 unidades vendidas a crédito, e Gol, da Volkswagen, com 3.535 unidades. O último subiu duas posições na comparação com fevereiro, dando lugar ao Palio, da Fiat, que despencou para a nona posição, com 2.607 unidades.

Os números contemplam os veículos comercializados por crédito direto ao consumidor (CDC), leasing e consórcio.

Um dos destaques…[LEIA MAIS]

Uso de farol durante o dia em rodovias segue para sanção de Dilma

Proposta é reduzir colisões frontais em rodovias brasileiras
Proposta é reduzir colisões frontais em rodovias brasileiras

O Senado aprovou nesta quarta-feira, 27, proposta que obriga motoristas a usarem farol baixo durante o dia nas rodovias. Projeto, que tem o objetivo de aumentar a segurança nas estradas, segue para sanção da presidente Dilma Rousseff.

Relator da matéria, o senador José Medeiros (PSD-MT), que foi policiai rodoviário federal por 20 anos, afirma que trata-se de um procedimento simples mas que contribuirá com a redução de colisões frontais nas rodovias. “O trânsito brasileiro é um dos que mais matam no mundo. São quase cinquenta mil vítimas fatais por ano. Essa proposta, além de não ter custos pode resultar em menos acidentes”, afirmou José Medeiros.

Para o autor da proposta, deputado Rubens Bueno (PPS-PR), a baixa visibilidade é uma das principais causas de acidentes de trânsito nas estradas. “Os condutores envolvidos continuam relatando que não visualizaram o outro veiculo a tempo para tentar uma manobra e evitar a colisão”.

O Projeto de Lei altera o Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Atualmente, o uso do farol baixo nas rodovias durante o dia é opcional e o entendimento é de que só o uso de farol baixo nas rodovias durante o dia, o entendimento é de que só uma norma com força de lei levaria os motoristas a adotarem a medida.

Segurança
Pesquisa realizada no Canadá aponta que manter os faróis ligados durante o dia torna o veículo visível para quem trafega na direção oposta a uma distância de até três quilômetros. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) orienta o uso do farol como forma de prevenir colisões frontais, já que acionar as luzes aumenta em 60% a visibilidade dos veículos.

Estados como Paraná, Minas Gerais e Rio Grande do Sul já obrigam..[LEIA MAIS]